• pauloalcantara65

Paris é uma festa

“Se você teve a sorte de viver em Paris quando jovem,  sua  presença continuará a  acompanhá-lo pelo resto da vida, onde quer que você esteja, porque Paris é uma festa ambulante”.


O livro “Paris é uma Festa” (A Moveable Feast) apresenta as memórias do escritor americano Ernest Hemingway (1899-1961) quando de sua passagem por Paris. Escrita entre 1957 e 1960, a obra só foi publicada três anos após sua morte. O livro cobre o período de 1921 a 1926, durante os loucos, tumultuados e felizes anos 20, quando Hemingway viveu na Cidade Luz.



Em Paris, aos 22 anos, ele lê pela primeira vez clássicos como Tolstói, Dostoievski e Stendhal. Convive com Gertrude Stein, James Joyce, Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald, dentre outras figuras polêmicas e encantadoras para o jovem Hemingway. A cidade e esses “companheiros de viagem” deram-lhe nova dimensão humana e maior sensibilidade para alcançar os seus dois objetivos primordiais na vida: ser um bom escritor e viver em absoluta fidelidade consigo próprio. O livro fornece detalhes de endereços específicos, tais como cafés, bares, hotéis e apartamentos que ainda podem ser encontrados hoje em dia em Paris. A livraria Shakespeare and Company (37 Rue de la Bûcherie) era muito frequentada por Hemingway e outros intelectuais da época. Lembre-se dela da próxima vez que for à Paris.



"Paris é uma Festa” foi o último livro escrito por Hemingway. Em 2 de julho de 1961, enfiou na boca os dois canos da sua carabina de caça predileta e atirou, acabando com sua vida. Seu pai também havia se suicidado em 1929.


O filme “Meia Noite em Paris”, de 2011, dirigido pelo diretor americano Woody Allen, mostra um pouco da época, cenários e artistas citados na obra, merecendo ser visto, após a leitura do livro.


Trailer do filme:



(*) Autoria das fotos: Paulo Alcântara

0 visualização